sábado, 31 de outubro de 2009

O RELÓGIO - MACHICO

El Reloj (Armando Manzanero)

Reloj no marques las horas
Porque voy a enloquecer
Ella se irá para siempre
Cuando amanezca otra vez
Nomás nos queda esta noche
Para vivir nuestro amor
Y tu tic-tac me recuerda
Mi irremediable dolor
Reloj detén tu camino
Porque mi vida se apaga
Ella es la estrella que alumbra mi ser
Yo sin su amor no soy nada
Reloj no marques las horas
Porque voy a enloquecer
Ella se irá para siempre
Cuando amanezca otra vez
Detén el tiempo en tus manos
Haz esta noche perpetua
Vara que nunca se vaya de mí
Para que nunca amanezca
Para que nunca amanezca
Para que nunca amanezca.

domingo, 25 de outubro de 2009

FONTANÁRIO - MACHICO

O fontanário que se situa junto à Igreja Matriz de Machico foi inaugurado em 1929. Ostenta no seu interior uma enorme concha em cantaria regional. Fotos CAM

FLATS


terça-feira, 13 de outubro de 2009

FALTA PEDRA EM AGUA DE PENA

Conforme constatei in loco numa das recentes visitas a esta Freguesia, e por indicação de algumas pessoas residentes na mesma, falta pedra em Água de Pena. Só assim se poderá justificar que existam pessoas a roubar as pedras que circundam a antiga piscina da Matur e do hotel Atlantis. Todos estes equipamentos bem como o antigo supermercado, estavam muralhados por pedra sobreposta, de modo a fazer paredes que protegessem e embelezassem em vez do betão. Das duas uma, ou existe falta de pedra ou as pessoas são autenticos calhaus rolados e dedicam-se a roubar tudo o que não lhes pertence. Inclino-me mais para a segunda opção, pois não é virgem roubar durante a noite as tampas de ferro das águas pluviais dos arruamentos, deixando em perigo tanto pessoas como veículos de possiveis acidentes.

domingo, 11 de outubro de 2009

FORUM MACHICO

Forum Machico - foto do autor
O novo edificio do chamado Forum Machico, está agradável com um visual que não fere a paisagem e com muita luminosidade interior. No entanto, noto que o espaço interior não está bem aproveitado. Longos espaços vazios e uma bibioteca com um hall exagerado para o movimento que serve a população. Parece que ficou qualquer coisa para o qual não se sabe bem para que serve... o mais dificil é cativar mentes, é levá-las a descobrir um mundo sem fronteiras, um mundo que não pára e que descobre sempre novas fórmulas mágicas de nos constituirmos como seres humanos maravilhosos. Descubram novas estrelas no seu firmamento, são os nossos votos!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

RANDÓ DAS BRUXAS

O imenso Vale de Machico, debruçado no Miradouro da Queimada - Foto CAM

Impressões
  1. Conjunto de notas que exprima, a suavidade misteriosa da Lua, meio velada, iluminando a paisagem quase agreste do Miradouro, e o silêncio do Vale Machiqueiro.

O reflexo da Lua no mar exprimindo uma saudade, longinqua, irreal...

2. De quando em vez o sopro agudo da aragem fria, passando no descampado, penetrando nas concavidades da rocha e extinguindo-se.

Novamente a calma.

3. Muito longe, um bater de asas, murmúrios, e gargalhadas abafadas, em conjunto com a 1ª. parte (1º.).

Alvoroço de asas - vozes em coro - música de dança.

Aparecimento do bando, começando a dançar.

RANDÓ DAS BRUXAS


A luz da Lua

Pálida e fria

Ilumina o mar

A rocha bravia.

A aragem fresca

Convida à dança

E o nosso bando

Todo se apressa,

Batendo as asas

Ensaia os passos

suaves e lentos

Endiabrados

conforme o vento

Urra ou canta

Sacode em fúria

A natureza.

Gritos de angústia,

Beijos de amor

Toadas mansas

Embaladoras

Da voz do mar.

Tudo prepassa

Na nossa dança.

Das almas puras

O odor das rosas.

Dos corações

O desespero

O anseio louco

D'amor infeliz.

E as nossas asas

Num remoinho

Já estão cansadas

Quase quebradas

De tanta dor.



De tanta dor

Dilaceradas.

Um murmúrio triste

Deixa-se perder

Pelas quebradas.

.......................................................

Como da terra

Brota a nascente

Também da alma

Nasce o alento

E novamente ....................

Maria Fernanda Correia

Poema manuscrito em 1963 - Água de Pena

A palavra "randó" deveria ser rondó, mas consta assim no original.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

JUNTO AO MAR

Entre o cheiro da maresia, a manhã desponta lentamente. Cinzento, mal humorado, o Sol espreguiça-se pelo calhau de Água de Pena. E eu continuo a ver piratas nas Desertas, tesouros nas velhas rochas de S. Lourenço. Durante décadas tantas lágrimas rolaram ao passar este local, tantos sonhos ou desilusões, tanto mar para navegar, tanto mar...

HALL DO HOTEL ATLANTIS

A referida escultura à entrada do Hotel Atlantis, num postal dos anos 70'.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

BAILINHO DA MADEIRA - FORUM MACHICO




Em boa hora a Drª. Fernanda Pires da Silva, Presidente da Grão-Pará ofereceu esta peça escultórica do artista Agostinelli à Câmara Municipal de Machico. Esteve colocada no hall da referida autarquia e transferida aquando da sua inauguração para o átrio principal do Forum Machico. Se a Drª. Fernanda tivesse feito o mesmo, ao restante património artistico do ex-Hotel Holiday Inn (posterior Atlantis) concerteza ainda teriamos bem estimadas muitas outras peças de grande valor artistico. Pelo menos a Câmara de Machico, deu-lhe importância ao transferi-la para este espaço cultural, e não ficou a saque de toxicodependentes. (fotos CAM)