quarta-feira, 12 de outubro de 2011

UMA CESTA COM FIGOS


UMA CESTA COM FIGOS


Estava uma daquelas tardes de calor sufocante e caminhava pela estrada deserta àquela hora do dia em busca de referências da minha infância. Procurava velhos caminhos, sítios onde outrora brincara. Até que parei! Aproveitando a sombra de uma árvore, fiquei imóvel sentindo o tempo parar, o silêncio invadir a cabeça de recordações. Tive curiosidade em retirar um pouco de terra, ver a sua cor, sentir o aroma dos pinheiros que imóveis exalavam o seu característico cheiro resinoso. Deixei correr as horas e, sem dar conta, embrenhado nos meus pensamentos, surgiu uma mulher a perguntar-me se andava perdido? Respondi que estava a relembrar aquele bocado de terreno, a tentar visualizar traços que o tempo vai transformando, revirando até não termos mais pontos de referência. Não satisfeita, perguntou-me o que procurava e se era dali? As minhas respostas deverão ter sido confusas para a sua mente! Entre “sins” e “nãos”, entre talvez tenha razão ou talvez não! Até que a pergunta caiu num silêncio profundo! Enorme o espaço de tempo entre o fim da última e o início de outra que despontava. Trocamos nomes de famílias, e aí fez-se luz… A face da simples mulher iluminou-se. O seu sorriso alargou-se como prova de que afinal conseguia ler a minha mente. E disparou …


- Então o menino…. E revolveu toda aquela terra, aquelas pedras, aqueles cheiros dos verdes pinos… revolveu o meu pensamento, remexeu a minha infância, a minha vida!


- Venha cá que eu vou dar-lhe uma cestinha com figos daqueles pretos para levar para o Funchal! E num ápice, foi a casa num pulo e regressou com uma bela cesta de bêberas forradas com folhas da figueira que possuía no terreno.


Fiquei estupefacto que alguém conseguisse passados tantos anos ter referências sobre a minha pessoa, mas extremamente orgulhoso quando entrei no autocarro rumo a casa e depositei na mesa da cozinha, aquele cesto de fruta madura vindo de Água de Pena com sabor à minha infância. Poderia sentir-me mais feliz?

Sem comentários: