terça-feira, 29 de novembro de 2011

PISCINA OLÍMPICA E O ATLANTIS

A piscina olímpica (durante muitos anos a única em Portugal) e o Hotel Atlantis ex-Holiday Inn Madeira, nos seus tempos áureos.

domingo, 27 de novembro de 2011

HOMENAGEM A FRANCISCO ÁLVARES DE NÓBREGA


Homenagem a Francisco Álvares de Nóbrega "Camões Pequeno"
2011-11-22
Fonte: Junta de Freguesia de Machico
"Homenagem a Francisco Álvares de Nóbrega" reúne um conjunto de iniciativas culturais dedicadas ao poeta machiquense conhecido por "Camões Pequeno". Estas iniciativas que realizar-se-ão no próximo dia 30 de Novembro, quarta-feira, pelas 18h, no Solar do Ribeirinho. Assim, haverá lugar à apresentação pública do livro "Alma Padecente. Os Sonetos de Francisco Álvares de Nóbrega", da autoria de João Luís Freire. No Jardim do Solar será inaugurada a obra escultórica dedicada a Francisco Álvares de Nóbrega, da autoria do escultor Luís Paixão, e também, realizar-se-á a cerimónia de anúncio dos vencedores do VI Concurso Literário alusivo ao poeta "Camões Pequeno".

PROJETO APRENDER A MADEIRA


CONVITE


A equipa do projeto "Aprender Madeira", que irá promover a preparação de um DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO DA MADEIRA, convida a comunidade científica, investigadores no conhecimento sobre a Madeira, sua história, cultura e ciência, a participar num PLEBISCITO CULTURAL com vista à apresentação das linhas gerais deste NOVO projeto de investigação, bem como para recolha de contributos, sugestões e colaborações com vista à construção coletiva de tão importante registo histórico sobre a Madeira.



Esta sessão será coordenada pelo Prof. José Eduardo Franco.
Fonte:Junta de Freguesia de Machico

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Livro sobre lendas das ilhas lançado em Machico


Será hoje lançado no Solar do Ribeirinho, em Machico, pelas 17h30, o livro”Lendas das Ilhas da Madeira e do Porto Santo”, da autoria de José Viale Moutinho. Editado pela Nova Delphi, este livro conta com 12 ilustrações do reverendo James Bulwer, publicadas inicialmente no álbum «Views in the Madeira» do início do Séc. XVIII.

De acordo com a editora, esta obra está integrada numa colecção juvenil e dirige-se a um público mais vasto, aspecto que foi tido em conta na redacção do texto e no tratamento gráfico.

As lendas pertencem à tradição popular e são de transmissão oral, aspecto que interessou à editora porque assim poderá «continuar a ser transmitidos aos mais novos» ao mesmo tempo que «podem ser recordados pelos mais velhos, os pais e avós, que nos animavam nos serões familiares».

De salientar que o lançamento desta obra contará com a presença de António Olim, presidente da Câmara Municipal de Machico.

Lucia Mendonça da Silva - Jornal da Madeira de 15 de Novembro de 2011



sábado, 5 de novembro de 2011

79 ANOS DEPOIS



79 anos após a sua construção, a capela de Água de Pena continua sem solução! Já tenho alertado para o facto de estar completamente ao abandono o recheio da mesma. Após as obras do início da construção do Hotel Holiday Inn Madeira em 1966, a capela foi desmantelada e colocada num anexo entretanto construido. Aí ficou o espólio, enquanto a Presidente da Administração da Matur - Srª. Fernanda Pires da Silva, anunciaria que seria construída de raiz uma nova capela onde pudesse albergar todos os paramentos, imagens e o altar original. Passado quase meio século, as promessas não foram cumpridas! O seu espólio poderia ter sido entregue à Paróquia de Agua de Pena, à Diocese de Machico ou ao Museu de Arte Sacra, mas as birras de quem pensa dominar tudo e todos, julga-se no direito de fazer o que lhe apetecer.
Estas fotos minhas, foram feitas com grande dificuldade. Primeiro quem tem a chave, colocou entraves e queixou-se de que estava com dores de cabeça e, foi o marido quem me acompanhou na visita. Dias antes, tinha sido a porta e fechaduras alvo de toxicodependentes e vândalos que se dedicam a roubar para vender a qualquer preço, peças com história que não lhes pertence mas que fazem parte da história da Madeira e consequentemente de todos nós! Um Cristo tinha sido arrancado de qualquer maneira, deixando os braços no crucifixo, enquanto levavam o resto da imagem. Lamentável! Se estivesse na posse da familia, de certeza não chegariamos a este estado de bandalheira.  
Fotos CAM