domingo, 4 de março de 2012

A TARTARUGA DA CIDADE E A TARTARUGA DO CAMPO



A TARTARUGA DA CIDADE E A TARTARUGA DO CAMPO


Certo dia no mês de Março, fomos alertados para um barulho estranho no jardim. Deparámo-nos com surpresa com uma tartaruga acabada de cair de um quintal da vizinhança. Possivelmente teria estado em hibernação à algum tempo e ficamos sem saber o que fazer com aquele animal. Até que alguém sugeriu que em Água de Pena existir uma outra tartaruga no tanque de rega das Queimadas. Ora, como estávamos de férias e iríamos em breve passar alguns dias na quinta, resolvemos levá-la.

Começámos por colocá-la numa cesta de vimes tapada e lá foi a tartaruga de autocarro a caminho de uma nova casa. Ao chegarmos a Água de Pena, uma das primeiras tarefas, foi colocá-la no já referido tanque de rega, de forma rectangular e com uma altura de aproximadamente meio metro de profundidade. E ficamos junto à berma, a vê-las nadar de um lado para o outro, onde de vez em quando vinham à superfície respirar.

De regresso das férias, todas as vezes que telefonávamos para os caseiros, perguntávamos como estavam as tartarugas, ao que recebemos a notícia de que uma delas, apareceu a boiar morta. Nunca soubemos qual delas acabou por sucumbir, embora nos parecesse que a tartaruga da cidade, possivelmente teria sido vítima da que já se encontraria no referido tanque.

O tanque ainda hoje existe, resistindo ao tempo e às inúmeras mudanças que toda a zona envolvente tiveram. Quando por ali passo, recordo sempre aqueles momentos mágicos em que debruçados no muro circundante, passávamos a tarde vendo-as para cá e para lá, em longas braçadas, deslizar na água. Porventura, na esperança de um dia ainda poder ver uma das tartarugas viva…



Sem comentários: